Coisas rápidas mas muito úteis que você deve saber sobre uma de clínica de recuperação

Coisas rápidas mas muito úteis que você deve saber sobre uma de clínica de recuperação

Você sabe como funciona uma clínica de recuperação? O que você precisa saber para concluir que uma clínica de recuperação é boa?

Veja neste artigo, dicas simples para escolher uma boa clínica de recuperação para seu familiar.

Famílias que tem um dependente ficam extremamente fragilizadas e muitas vezes se sentem totalmente perdidos na hora de escolher um lugar para que uma pessoa do seu círculo possa ter um tratamento adequado para se livrar das drogas, listamos algumas dicas que são muito importante e irão lhe ajudar a encontrar um bom lugar para seu familiar querido.

Mas antes gostaria de me apresentar, meu nome é Mario Augusto e sou fundador da Casa dia de Cosmópolis, trabalho com dependência química há mais de 20 anos, tendo realizado projetos na fundação Casa de São Paulo e ter participado de mais de 500 internações.

Desde que comecei a trabalhar com dependência química conheci inúmeras clínicas de recuperação algumas ótimas e outras nem tanto, para ser bem sincero conheci algumas com péssima infraestrutura e sem nenhuma condição de realizar um tratamento adequado. Esses vinte anos de experiência me deram bagagem e um olhar clínico para replicar aquilo era excelente e descartar aquilo que era ruim, dessa forma, a Casa Dia de Cosmópolis foi estruturada, pegando aquilo que era bom, não repetindo o que não era e sempre buscando a excelência.

Neste artigo listei algumas dicas que serão muito úteis na hora de de você escolher uma clínica de recuperação para seu familiar ou amigo.

1 – O tratamento que a clínica oferecer deve ser individualizado, deve ser projetado de acordo com as necessidades do paciente e de seus familiares, lembrando que quase sempre a família precisa ser tratada, pois está tão doente quanto o dependente químico.

2 – É importante saber qual a abordagem da clínica, ou seja, que tipo de terapia é seguido. Existem clínicas que atuam com terapia em grupo, com medicamentos, internação ou reuniões e/ou encontros periódicos entre os dependentes e terapeutas psicólogos, e outros momento para os familiares.

3 – A família deve procurar saber tudo sobre a clínica, seu histórico de sucesso, conversar com recuperados e seus familiares.

4 – Lembre-se que a internação não é o único recurso de tratamento, por isso ouça a opinião de mais de um especialista e instituições, inclusive o atendimento público.

5 – Uma crença religiosa é muito importante no tratamento de um dependente químico, por isso observe se a clínica professa alguma crença religiosa, se isso não irá conflitar com a crença que o paciente e sua família já seguem.

6 – Estatisticamente os relatos de maior sucesso na reabilitação, segundo o DENARC, são de grupos liderados por ex-dependentes por estes perceberem a doença de outra maneira. Essa é uma dica que se deve observar quando for escolher o local de tratamento.

7 – Conheça, além da abordagem, o local, as instalações, faça uma visita e observe atentamente o comportamento dos internos e dos funcionários.

8 – Leia atentamente o contrato antes de assinar, se possível leve para ser analisado por alguém com conhecimentos jurídicos.

9 – Esteja ciente das normas e regras que regem a instituição ou clínica, e assim analise se o paciente e seus familiares estão dispostos a seguir e cumprir com as determinações.

10 – Assegure-se de que a clínica é registrada nos órgãos públicos competentes e que estão em situação atuais legalmente aptas a atuar. Da mesma forma consulte legalmente o registro e formação dos especialistas que atendem no local.

Mães que usam clínica de recuperação conseguem mais Curar o vícioGostou desse conteúdo? Espero que ele lhe possa ser útil.

Conheça também a clínica de recuperação que faço parte acessando: http://www.clinicaderecuperacaodia.com.br/

Descubra o que podemos fazer por você e pelo seu familiar. Tenho certeza que é muito mais do que eu escrevi aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *